Youtube Twitter Facebook
Descrio Loja
Vitrine Blog
    25 jan/16
    5 aparelhos elétricos que mais consomem energia

    Aparelhos elétricos que aumentam a conta de luz

    Com o atual cenário energético no Brasil e no mundo, economizar energia se tornou não mais uma necessidade fundamental, mas um hábito para todos. Na hora de controlar os gastos os consumidores se perguntam: quais são os aparelhos que podem gastar mais energia? Se você também tem essa dúvida ou gostaria de saber como economizar sem desligar tais equipamentos, não se preocupe, neste post separamos alguns vilões da conta de luz no fim do mês. Confira:

    Chuveiro elétrico

    Quando falamos em economia de energia sempre vem a mente o chuveiro elétrico como o maior consumidor de energia em uma residência. E não é para menos, com chuveiros cada vez mais potentes, seu consumo corresponde a aproximadamente 30% do valor da sua conta de luz. Só para se ter uma noção, um banho diário de 15 minutos para uma família de 4 pessoas equivale ao consumo de energia cerca de 40 lâmpadas de 100W.

    Para economizarmos energia tendo como base o chuveiro elétrico algumas medidas podem ser tomadas:

    > Diminua o tempo do banho – pode-se desligar o chuveiro sempre que for ensaboar o corpo;

    > Escolha a temperatura adequada – caso o dia não esteja muito frio mude a temperatura para morno;

    > Faça manutenção periódica – caso seu chuveiro ou sua fiação seja antiga, faça manutenção em seu sistema para não sobrecarregar o mesmo;

    > Pense em uma solução de sistemas solares – os sistemas de aquecimento solar podem auxiliar em uma economia de até 25% da sua conta de energia.

    Ar-condicionado

    Cada vez mais comuns em residências, porém mais utilizado em ambientes comerciais, estes aparelhos também possuem a característica de elevar o gasto de energia, por possuir motores para resfriamento. Um ar-condicionado de 12.000 BTU’s, ligados 8 horas por dia gasta em média 11,2kWh por dia o que daria um custo de aproximadamente 145 reais por mês apenas com o ar-condicionado. Algumas dicas de economia para os aparelhos de ar-condicionado são:

    >Utilizar o aparelho na função timer (desliga e liga o equipamento dentro de intervalos de tempo);

    > Preservar os filtros sempre limpos;

    > Manter portas e janelas fechadas para evitar entrada de ar externo;

    > Desligue o aparelho sempre que você se ausentar do ambiente por muito tempo;

    > Evitar sol, utilizando persianas ou cortinas.

    O ar-condicionado quando utilizado em residências no período do verão pode chegar a representar até 35% do consumo de energia. Portanto caso você possua em sua casa, ele é um aparelho que merece atenção.

    Cooktop e fritadeiras sem óleo

    Assim como o chuveiro são aparelhos que convertem energia elétrica em calor por meio de resistências, e em alguns casos ainda possuem ventiladores e exaustores. Estes aparelhos precisam aquecer quase instantaneamente e manter a temperatura elevada, devido ao curto tempo de aquecimento a energia necessita ser muito alta, por isso são aparelhos que consomem muito.

    No caso destes aparelhos a melhor forma de economizar é utilizá-los menos. Dê a preferência por fornos convencionas a gás, pois não utilizam energia elétrica e o valor do gás de cozinha é bastante inferior quando comparado ao preço da eletricidade.

    Geladeira e freezer

    São aparelhos fundamentais em qualquer residência, que não podem ser desligados e que possuem grande impacto na conta de luz. Porém existem algumas dicas simples que podem fazer os gastos de energia nestes aparelhos serem menores:

    > evitar abrir portas desnecessariamente ou deixá-las abertas;

    > não deixar os alimentos encostados na parede, pois isso prejudica a circulação de ar, aumentando o consumo;

    > não colocar alimentos quentes na geladeira;

    > evitar regular o aparelho em temperaturas muito baixas;

    > e sempre verificar a vedação da porta.

    Aparelhos em stand-by

    Os equipamentos ligados no modo de espera são os “ladrões silenciosos” de energia. Aparelhos em stand-by podem representar até cerca de 13% do consumo de energia de uma residência. A melhor forma de evitar estes gastos é desligar o modo de espera ou retirar os aparelhos da tomada e ligar somente quando for necessário.

    Por último indicamos aos clientes que quando forem comprar aparelhos elétricos optarem por aqueles que possuam selos de eficiência energética, pois quanto melhor ela for, menores serão os gastos com energia.

    Veja também: 10 cuidados com sua rede elétrica que podem ajudar a economizar energia.

    Você tinha conhecimento que estes são os maiores vilões da conta de luz? Gostou das nossas dicas de economia de energia? Comente e compartilhe conosco suas respostas.

    Mesmo que alguns aparelhos aumentem a conta de luz, caso não ficarmos de olho, ainda assim não queremos perdê-los para os surtos elétricos. Leia o Guia de Proteção Clamper e sabe como manter a vida úitil dos aparelhos ainda mais longa. Baixe agora.

    1
    11 jan/16
    Curiosidade: Entenda melhor as bandeiras tarifárias!

    O parque gerador de energia elétrico brasileiro é composto em sua maioria por usinas hidrelétricas, que, para funcionar, devem ter em seu reservatório uma quantidade apropriada de água armazenada. Porém como nos últimos anos as chuvas para o armazenamento da água têm se tornado cada vez mais escassas, necessitamos de uma segunda opção para a geração de energia elétrica. Com intuito de suprir esta falta de chuvas, usamos usinas termoelétricas, movidas a combustíveis como gás natural, óleo combustível, carvão e diesel. As usinas termoelétricas poupam água dos reservatórios porém, possuem maior custo de geração. Antes estes custos eram repassados para o consumidor ao reajuste da tarifa de energia, o que ocorria com ate um ano de atraso. Para diminuir este atraso a ANEEL (Agencia Nacional de Energia Elétrica) criou o sistema de bandeiras tarifárias que informa o consumidor sobre o custo adicional com a compra de energia, dando assim oportunidade do consumidor adaptar seu consumo de forma consciente. Quer saber como ter uma conta mais barata no próximo mês? Acompanhe este post que preparamos especialmente para você sobre as bandeiras tarifárias!

    O que são as bandeiras tarifárias?

    As bandeiras tarifárias funcionam como um semáforo que informa ao consumidor sobre a quantidade de KWh comprado para suprir a geração de energia elétrica do sistema. Elas são uma forma do consumidor tentar diminuir (ou não aumentar), seu consumo de energia passando de uma cor para outra mais barata.

    O que significa cada cor?

    Cor verde

    A bandeira verde significa que as condições de geração de energia elétrica são favoráveis e não haverá nenhum custo extra. Isto é, a geração pelas hidroelétricas são compatíveis com a demanda do consumidor.

    Cor amarela

    A bandeira amarela indica condições menos favoráveis, neste caso há necessidade de complementar a geração de energia elétrica. O consumidor deve ter atenção para evitar desperdícios de energia.

    Cor vermelha

    A cor vermelha indica condições mais caras para geração de energia. Ou seja, demanda-se de maiores meios para se obter a geração necessária para alimentar o sistema.

    Quanto se paga de acordo com a bandeira?

    A ideia é bem simples: quanto maiores os custos de produção de energia, maior também será o preço pago pelo consumidor. Em números, temos:

    > bandeira verde: o valor continua normal, não é acrescido despesas na tarifa mensal;

    > bandeira amarela: a tarifa sofrerá acréscimo de R$0,025 a cada kWh consumido. (Valor informado sem cálculo de impostos);

    > bandeira vermelha: a tarifa sofrerá acréscimo de R$0,045 a cada kWh consumido. (Valor informado sem cálculo de impostos).

    Sabendo mais sobre as cores das bandeiras e suas despesas, fica mais fácil controlar os custos da sua conta. Valores vigentes em Dezembro de 2015.

    Consumo zero ou consumo inferior ao mínimo da classe

    Nos casos de consumo 0 (zero) ou consumo inferior ao mínimo da classe é cobrado o custo de disponibilidade do sistema elétrico conforme artigo nº 98 da resolução Normativa ANEEL nº 414. Ou seja, mesmo quando há consumo zero no local, o cliente será tarifado no Sistema de Bandeiras Tarifárias, de acordo com o consumo mínimo (custo de disponibilidade). Assim, a unidade consumidora que consumir dentro desses valores, vai ser tarifado proporcionalmente ao que gastar.

    Como economizar usando as bandeiras?

    Chuveiro elétrico:

    > Tomar banhos mais curtos, de até cinco minutos;

    > Selecionar a temperatura morna no verão;

    > Verificar as potências no seu chuveiro e calcular o seu consumo;

    Ar condicionado:

    > Não deixar portas e janelas abertas em ambientes com ar condicionado;

    > Manter os filtros limpos;

    > Diminuir ao máximo o tempo de utilização do aparelho de ar condicionado;

    > Colocar cortinas nas janelas que recebem sol direto;

    Geladeira:

    >Só deixar a porta da geladeira aberta o tempo que for necessário;

    > Regular a temperatura interna de acordo com o manual de instruções;

    > Nunca colocar alimentos quentes dentro da geladeira;

    > Deixar espaço para ventilação na parte de trás da geladeira e não utilizá-la para secar panos;

    > Não forrar as prateleiras;

    > Descongelar a geladeira e verificar as borrachas de vedação regularmente;

    Iluminação:

    > Utilizar iluminação natural ou lâmpadas econômicas e apagar a luz ao sair de um cômodo; pintar o ambiente com cores claras;

    Ferro de passar:

    > Juntar roupas para passar de uma só vez;

    > Separar as roupas por tipo e começar por aquelas que exigem menor temperatura;

    > Nunca deixe o ferro ligado enquanto faz outra coisa;

    Aparelhos em stand-by:

    > Retirar os aparelhos da tomada quando possível ou durante longas ausências.

    Agora que você está mais por dentro sobre as bandeiras tarifárias e como economizar energia, que tal saber como proteger seus aparelhos elétricos? Conheça Dicas para garantir a segurança da sua rede elétrica doméstica! Baixe também nosso Guia de Proteção Clamper e não perca seus aparelhos por causa de surtos elétricos.

    0
    06 out/15
    Conheça os 8 maiores mitos da energia elétrica

    Quando o assunto é energia elétrica, logo pensamos em economia e, portanto, muitas dúvidas surgem na cabeça. Por se tratar de um mercado bastante técnico e pouco conhecido pela população em geral, envolve diferentes crenças, que precisam ser esclarecidas o quanto antes, a fim de evitar maiores problemas.

    Que tal conhecer os 8 maiores mitos da energia elétrica? Confira o nosso artigo do dia!

    Aparelhos ligados em 220 volts consomem menos energia

    A verdade é que a tensão de um aparelho não influencia no maior ou no menor consumo de energia. O que determina isso é a potência de cada equipamento e, principalmente, o tempo em que é mantido ligado. Logo, não faz diferença se ele é 110 volts ou 220 volts.

    Chuveiro de 220 volts esquenta mais

    Não é verdade! Assim como a questão anterior, o que determina o consumo de energia é o tempo em que um chuveiro é usado e a sua potência. Portanto, dois chuveiros de um mesmo modelo e com tensões diferentes — de 110 e 220 volts — terão o mesmo consumo de energia.

    Posso secar roupas atrás da geladeira sem estragá-la

    Costume de muitas pessoas, principalmente naqueles dias chuvosos e úmidos, a ação de secar roupas atrás da geladeira não só diminui a vida útil do aparelho pelo desgaste, como também aumenta, consideravelmente, o consumo de energia.

    Portanto, não importa se são peças pequenas! Elimine logo este hábito péssimo em sua casa e economize.

    Usar benjamin em tomadas é mais seguro

    Embora bastante práticos, os benjamins devem ser evitados sempre que possível. Isso porque eles permitem a utilização de diversos aparelhos em uma só tomada, causando curto-circuitos pela sobrecarga de energia.

    Ligar e desligar aparelhos diversas vezes é melhor do que os manter ligados

    Na maioria das vezes, isso não é verdade. Considerando que hoje utilizamos aparelhos com uma maior frequência, é muito mais vantajoso deixá-los ligados em vez de ficar ligando e desligando-os muitas vezes ao dia.

    A explicação está no fato de muitos equipamentos terem um pico de consumo alto no momento de ligar. Por isso, compensa mantê-los ligados quando o retorno de uso for em um tempo igual ou menor do que 15 minutos.

    Falar ao telefone enquanto o aparelho carrega é seguro

    Falar em celulares conectados pode ser bastante perigoso! Neste tipo de atividade, a bateria do aparelho pode esquentar muito e provocar falhas no funcionamento. Em casos mais sérios, podem explodir durante o uso.

    Colocar uma garrafa de água em cima do medidor diminui o consumo

    Mentira comprovada! Existem outras formas muito mais simples — e coerentes — de diminuir o consumo de energia na sua casa.

    Uma delas é retirando aparelhos da tomada quando não for utilizá-los, trocar as lâmpadas incandescentes por fluorescentes ou de LED. Sem esquecer também do bom senso no tempo de uso de aparelhos, como chuveiro, secador e ar-condicionado.

    Deixar o carregador sozinho na tomada não gasta energia

    Atualmente, os carregadores estão mais modernos e gastam menos energia do que os antigos quando mantidos na tomada. No entanto, sempre há um pequeno consumo, mesmo quando eles não estiverem conectados. Sendo assim, sempre que puder, retire qualquer dispositivo da tomada e economize.

    Conhece mais mitos da energia elétrica? Deixe seu comentário para a gente!

    0
    21 ago/13
    78% dos consumidores de energia elétrica aprovam o serviço

    É isso o que revelou a Pesquisa de Satisfação do Consumidor Residencial divulgada esse mês, pela Associação Brasileira dos Distribuidores de Energia Elétrica (Abradee), que ouviu 25.375 pessoas em 911 municípios de 26 estados, atendidos por 46 distribuidoras que representam 98% dos consumidores do Brasil.

    Segundo Nelson Fonseca Leite, presidente da Abradee, desde 2005 o serviço de distribuição de energia elétrica tem mais de 76% de aprovação entre os consumidores. O levantamento é feito desde 1999, anualmente, com 70 perguntas utilizadas para calcular o Índice de Satisfação com a Qualidade Percebida (ISQP).

    Em 2012 o índice de satisfação do consumidor era de 78,2% e passou para 78,7% esse ano. Já o nível de confiança no serviço chegou a 95,5%. O estudo, segundo a Abradee, serve para as empresas do setor direcionarem suas políticas de qualidade e procurarem sanar as falhas em sua gestão.

    Por regiões, a pesquisa revela que a região Sul teve aumento de 2,2 pontos percentuais no ano, alcançando 87,6% de satisfação. A região Nordeste registrou 78,8% de aprovação, considerado o melhor resultado em 15 anos, e o Centro-Oeste foi de 66% para 67,7%, enquanto na região Sudeste houve ligeira redução de 79,9% em 2012, para 78,8% em 2013, dentro da margem de erro da pesquisa.

    0
    15 mar/13
    Atraso nas obras para fornecimento de energia durante a Copa diminui
    Atraso nas obras para fornecimento de energia durante a Copa diminui
    Com a proximidade da Copa do Mundo em 2014, o Brasil começa a acelerar os investimentos para assegurar que não falte energia para a grande festa do futebol. O atraso nas obras caiu de 55% para 29% nesse mês de fevereiro, mas ainda há muito a ser feito.
    0
    28 fev/13
    Além de ter ficado um show de bola, o Mineirão também é sustentável
    novo_mineiro_clamper
    Você sabia que depois das obras realizadas, o estádio Governador Magalhães Pinto, o famoso Mineirão, será o primeiro estádio da Copa de 2014 a ter na sua cobertura uma usina fotovoltaica?
    0