Youtube Twitter Facebook
Descrio Loja
Vitrine Blog
    19 out/15
    4 dicas para garantir a segurança da sua rede elétrica doméstica

    Independente da região onde mora ou da época do ano, os equipamentos eletrônicos estão sempre expostos a possíveis surtos de tensão. Seja por causa de raios durante uma chuva ou de origem da própria concessionária de energia elétrica, os picos de tensão (ou voltagem) causam grandes danos aos aparelhos.

    Que tal tomar alguns cuidados para manter a segurança da rede elétrica doméstica? Leia o nosso post de hoje!

    1 – Não conte somente com os estabilizadores e no-breaks

    Ao contrário do que muitos pensam, os estabilizadores e os no-breaks não fornecem uma efetiva proteção contra descargas atmosféricas e raios de grande porte. Na prática, esses aparelhos têm a função de manter a tensão estável dos equipamentos (estabilizadores) e de mantê-los funcionando por um determinado tempo, no caso de falta de energia (no-breaks). Mas, sozinhos, eles não são suficientes para manter a segurança da rede elétrica doméstica.

    2 – Instale o cabo de cobre no solo

    Quando cai um raio na rede elétrica durante a chuva, ele “caminha” pelos fios até encontrar um aterramento, descarregando a tensão no solo. Caso ele atinja uma rede próxima à sua residência, despejará uma grande descarga elétrica com valores muito altos, bem acima dos suportados pelos aparelhos elétricos da sua residência.

    Dependendo do caso, o raio pode destruir toda a rede elétrica da residência e causar a queima de todos os equipamentos. Para evitar esse problema, é obrigatório o aterramento da rede elétrica nas residências.

    O aterramento é realizado através da instalação de um cabo de cobre diretamente no solo para que, nele, possam ser descarregadas todas as tensões geradas por raios e surtos na rede elétrica. Um bom aterramento é essencial para manter a segurança da rede elétrica doméstica.

    3 – Proteja-se com os DPS

    DPS (Dispositivo de Proteção contra Surto) é um equipamento que protege a rede elétrica doméstica, tanto de surtos quanto de variações drásticas de tensão, garantindo a integridade de seus aparelhos. É o complemento ideal para o aterramento, fornecendo segurança da rede elétrica doméstica contra descargas atmosféricas e surtos na rede.

    Assim, caso um raio caia na rede elétrica próxima a sua residência, o dispositivo desligará o circuito. Dessa forma, ele impedirá que o surto de tensão seja conduzido pelos fios da sua casa e levado para o aterramento, mostrando-se como uma solução eficaz para manter a segurança da rede elétrica doméstica.

    Existem dois tipos de DPS disponíveis no mercado: o de uso geral e o individual. O geral é instalado junto à caixa de distribuição, para a proteção de todos os circuitos da residência. Já o individual é instalado circuito a circuito, protegendo um equipamento determinado, como o chuveiro ou a máquina de lavar.

    Contrate um eletricista

    A instalação do DPS não é de responsabilidade da concessionária de energia elétrica, ficando por conta do consumidor. O mais indicado é contratar um eletricista, que fará a instalação de vários DPS, protegendo toda a rede elétrica de sua casa.

    4 – Desligue o modem e telefone fixo

    Durante tempestades ou quedas de energia, é indicado desligar o modem e o telefone da tomada, já que as descargas atmosféricas percorrem também a rede telefônica. Como ela não conta com proteção contra raios ou surtos, ambos se tornam vulneráveis.

    Evite também usar o telefone fixo durante uma tempestade, pois, além do aparelho, a descarga elétrica pode atingir o usuário, ocasionando graves queimaduras internas e até mesmo a morte.

    Gostou do artigo? Ficou alguma dúvida sobre como manter a segurança da rede elétrica doméstica? Deixe a sua opinião nos comentários!

    0
    13 out/15
    7 mitos e verdades sobre descargas elétricas

    O Brasil é o país com maior incidência anual de descargas elétricas atmosféricas do mundo. Com tantos raios caindo sobre nosso território, a sabedoria popular desenvolveu, ao longo do tempo, convicções que nem sempre estão corretas a respeito desses fenômenos.

    Tem conhecimento dos mitos e verdades sobre descargas elétricas? Leia no post as ideias mais comuns sobre o assunto e saiba o que é falso e o que é verdadeiro!

    Um raio nunca atinge o mesmo lugar

    Este talvez seja o mais difundido entro os mitos acerca das descargas atmosféricas. Durante uma tempestade o raio sempre procurará o meio com menor resistência para atingir a terra. Estruturas pontiagudas, elevadas e metálicas são as mais propensas a receberem descargas atmosféricas.

    Um prédio muito alto ou uma árvore em um campo podem ser atingidos por raios dezenas de vezes em um único ano. Contudo, vale ressaltar que os objetos altos são os alvos preferenciais, mas um raio também pode atingir o solo em meio aos prédios e ao lado de uma árvore. Isso não pode ser previsto.

    Não se deve falar ao telefone durante tempestades

    Verdade. Os raios podem provocar surtos elétricos, que além de transitarem pela rede elétrica, também podem circular pela rede de telefonia e de televisão. Assim, não é nada aconselhável falar ao telefone durante uma tempestade.

    Somente raios podem queimar os aparelhos eletrônicos

    Não, na verdade os surtos elétricos são os maiores responsáveis pela queima de aparelhos. Além de serem produzidos pelos raios, os surtos também são gerados pelas variações repentinas de tensão da rede.

    É preciso desligar os aparelhos das tomadas no período dos raios

    Sim, é altamente recomendado que os aparelhos sejam retirados das tomadas. Mesmo que, em sua instalação, tenha um SPDA eficiente, um raio pode provocar um surto na rede elétrica e este surto viajará pela rede, podendo atingir sua instalação.

    Contudo, há dispositivos específicos para a proteção de surtos provocadas por descargas atmosféricas, os chamados DPS. Esses dispositivos drenam os surtos elétricos pelo aterramento, protegendo seus equipamentos.

    Estou totalmente protegido contra descargas atmosféricas dentro de casa

    Estar em casa é um bom lugar para se proteger, mas apenas isso não é o suficiente. Você deve evitar contato com o exterior da casa, manter distância de telefones, de equipamentos e cabos elétricos — que a esta altura, já devem estar desconectados, como orientamos —, de tubulações, portas e janelas de metal. Quanto mais interno for o cômodo, melhor para se proteger.

    O estabilizador protege contra raios

    Não, a função do estabilizador é proteger os equipamentos eletrônicos contra a variação da tensão elétrica da rede. Os dispositivos para proteção contra raios são os para-raios e os DPS.

    É possível evitar que minha instalação seja atingida por raios

    Não existe nenhum meio de se impedir que os raio caiam em determinados lugares, nem que sua rede não seja atingida pelos surtos elétricos provocados por eles. O que se pode fazer é construir um sistema que drene a descarga atmosférica para a terra sem causar danos estruturais à sua edificação e instalar dispositivos que protejam seus aparelhos das influências de surtos elétricos.

    É absolutamente normal que tanta informação popular seja cultivada a respeito desse fenômeno, que sempre intrigou a humanidade e, ainda hoje, carrega muita curiosidade. O importante é se manter bem informado para a sua própria segurança, a de suas instalações e a de seus aparelhos.

    Agora que você já sabe dos mitos e verdades sobre descargas elétricas, ainda resta alguma dúvida? Fale com a gente deixando um comentário no post!

    Quer ler mais artigos sobre proteção elétrica? Assine a nossa newsletter!

    0
    08 out/15
    127v ou 220v: tudo o que você precisa saber!

    Certamente, você sabe qual é o padrão de instalação elétrica na sua casa, talvez na sua cidade e no seu estado. Mas se já visitou outros lugares no país, onde as tomadas tinham uma voltagem (também chamada pelo termo técnico “tensão”) diferente, saiba que, aqui no Brasil, existe um padrão com duas voltagens possíveis para distribuição de energia para as tomadas de prédios e de casas.

    A tensão 110V não está mais disponível em nenhum lugar do Brasil, pois as normas para o consumidor residencial e comercial determinam o fornecimento em 127V e 220V. Como um sistema elétrico é sujeito a oscilações, você pode encontrar valores ligeiramente diferentes, mas os 110V são, efetivamente, coisa do passado. Só nos referimos a uma instalação de 110V por ser um rótulo que permaneceu e, sendo tratado como um valor nominal, não pode ser considerado errado.

    Você sabe quais são as diferenças entre as duas tensões? O que um aparelho, um equipamento e uma instalação em 127V ou 220V pode mudar para você? Leia o nosso post e entenda sobre o assunto!

    127V ou 220V: quais são as diferenças?

    No uso do dia a dia, não existem diferenças significativas. Por ser uma tensão menor, os 127V nas tomadas oferecem um risco mais baixo de choque para possíveis contatos com plugues expostos ou fios desencapados.

    Apesar desta ser a principal razão para as concessionárias escolherem esse sistema, o 220V também apresenta alguns benefícios. Quando se trata de um apagão em uma instalação, por exemplo, onde uma casa ou um prédio demanda muita energia da rede, em 220V se tem uma pequena vantagem por passarem correntes elétricas menores.

    Já apagões gerais no sistema, crises de fornecimento e problemas de maior grandeza não são influenciados pelas diferenças das tensões. Nesta questão, o importante é identificar cada tensão disponível e trabalhar com ela, adequando equipamentos e usando os aparelhos corretos.

    O mito da economia

    Por usar correntes menores, o 220V consome pouco menos. Mas só seria possível sentir essa diferença nos gastos com muitos anos de uso.

    Na realidade, o consumo de energia é medido pela unidade quilowatt-hora (KWh), como consta na conta de luz. Sendo que o quilowatt se refere à potência dos aparelhos, então é ela que faz diferença, juntamente com o tempo que eles ficam ligados, medido em horas. Ou seja, com o custo de toda uma nova instalação, com as obras que isso envolveria, jamais valeria a pena substituir um sistema 127V por um 220V com o objetivo de economizar.

    Por que as tensões no Brasil variam de uma região para outra?

    No Brasil, não se estabeleceu apenas um padrão geral para a tensão que chega às tomadas das empresas e das residências. No início do século passado, quando nossa rede elétrica começou a ser montada, várias empresas de países diferentes tomaram conta de regiões específicas para implementar o Sistema Elétrico. Com isso, os padrões de origem de cada lugar contribuíram para as escolhas por sistemas de 127V ou 220V.

    Também foi levada em conta a economia que um sistema poderia gerar. Todas as instalações de rede de transmissão e distribuição tendem a ficar mais baratas nos gastos com transformadores e fiações no 220V. Mas, como dissemos, na maior parte do país se usa o 127V, por questões de segurança.

    Nos estados do Sul e do Nordeste, o sistema mais comum é o 220V, enquanto no Sudeste, o 127V predomina. Já no Centro-Oeste, em Goiás e no Distrito Federal, só se usa o 220V, no Mato Grosso e no Mato Grosso do Sul, assim como em toda a região Norte, só se encontra tomadas de 127V, a não ser em hotéis ou em aeroportos.

    Agora que você leu tudo sobre instalações e aparelhos em 127V ou 220V, gostou de saber das diferenças? Tem alguma dúvida ou experiência no uso de uma ou de outra para compartilhar? Deixe um comentário aqui no post!

    0
    06 out/15
    Conheça os 8 maiores mitos da energia elétrica

    Quando o assunto é energia elétrica, logo pensamos em economia e, portanto, muitas dúvidas surgem na cabeça. Por se tratar de um mercado bastante técnico e pouco conhecido pela população em geral, envolve diferentes crenças, que precisam ser esclarecidas o quanto antes, a fim de evitar maiores problemas.

    Que tal conhecer os 8 maiores mitos da energia elétrica? Confira o nosso artigo do dia!

    Aparelhos ligados em 220 volts consomem menos energia

    A verdade é que a tensão de um aparelho não influencia no maior ou no menor consumo de energia. O que determina isso é a potência de cada equipamento e, principalmente, o tempo em que é mantido ligado. Logo, não faz diferença se ele é 110 volts ou 220 volts.

    Chuveiro de 220 volts esquenta mais

    Não é verdade! Assim como a questão anterior, o que determina o consumo de energia é o tempo em que um chuveiro é usado e a sua potência. Portanto, dois chuveiros de um mesmo modelo e com tensões diferentes — de 110 e 220 volts — terão o mesmo consumo de energia.

    Posso secar roupas atrás da geladeira sem estragá-la

    Costume de muitas pessoas, principalmente naqueles dias chuvosos e úmidos, a ação de secar roupas atrás da geladeira não só diminui a vida útil do aparelho pelo desgaste, como também aumenta, consideravelmente, o consumo de energia.

    Portanto, não importa se são peças pequenas! Elimine logo este hábito péssimo em sua casa e economize.

    Usar benjamin em tomadas é mais seguro

    Embora bastante práticos, os benjamins devem ser evitados sempre que possível. Isso porque eles permitem a utilização de diversos aparelhos em uma só tomada, causando curto-circuitos pela sobrecarga de energia.

    Ligar e desligar aparelhos diversas vezes é melhor do que os manter ligados

    Na maioria das vezes, isso não é verdade. Considerando que hoje utilizamos aparelhos com uma maior frequência, é muito mais vantajoso deixá-los ligados em vez de ficar ligando e desligando-os muitas vezes ao dia.

    A explicação está no fato de muitos equipamentos terem um pico de consumo alto no momento de ligar. Por isso, compensa mantê-los ligados quando o retorno de uso for em um tempo igual ou menor do que 15 minutos.

    Falar ao telefone enquanto o aparelho carrega é seguro

    Falar em celulares conectados pode ser bastante perigoso! Neste tipo de atividade, a bateria do aparelho pode esquentar muito e provocar falhas no funcionamento. Em casos mais sérios, podem explodir durante o uso.

    Colocar uma garrafa de água em cima do medidor diminui o consumo

    Mentira comprovada! Existem outras formas muito mais simples — e coerentes — de diminuir o consumo de energia na sua casa.

    Uma delas é retirando aparelhos da tomada quando não for utilizá-los, trocar as lâmpadas incandescentes por fluorescentes ou de LED. Sem esquecer também do bom senso no tempo de uso de aparelhos, como chuveiro, secador e ar-condicionado.

    Deixar o carregador sozinho na tomada não gasta energia

    Atualmente, os carregadores estão mais modernos e gastam menos energia do que os antigos quando mantidos na tomada. No entanto, sempre há um pequeno consumo, mesmo quando eles não estiverem conectados. Sendo assim, sempre que puder, retire qualquer dispositivo da tomada e economize.

    Conhece mais mitos da energia elétrica? Deixe seu comentário para a gente!

    0
    01 out/15
    CLAMPER 24 ANOS

    A Clamper está no mercado há 24 anos e sempre pensando no MELHOR para você. Obrigada por fazer parte dessa história! ‪#‎Clamper24anos‬ ‪#‎DPSdeQualidade‬ ‪#‎OMelhorParaVocê‬

    0